Dicas e artigos  >  SOB RISCO DE ATAQUES HACKERS, INDÚSTRIA AUMENTA DEMANDA POR PROFISSIONAIS DE CIBERSEGURANÇA

SOB RISCO DE ATAQUES HACKERS, INDÚSTRIA AUMENTA DEMANDA POR PROFISSIONAIS DE CIBERSEGURANÇA

textos
textos

O número de ataques cibernéticos, que já vinha aumentando nos últimos anos, teve um salto durante a pandemia do novo coronavírus. O Brasil, que está entre os países que lideram como alvo, tem a necessidade urgente de formação e qualificação de profissionais. Hoje, o país não tem nem metade da força de trabalho necessária para responder às ameaças e evitar prejuízos, que vão da violação de dados de clientes e vazamento de informações confidenciais até a paralisação de linhas de produção na indústria. Para responder à demanda, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) lançou no dia 10 de dezembro, cinco academias de segurança cibernética, localizadas em Brasília, Fortaleza, Vitória, Londrina e Porto Alegre. Além das instalações físicas, vários cursos ofertados são online, o que os coloca ao alcance de candidatos de todo o país. Os equipamentos e sistemas disponibilizados nas unidades do Senai formam um ambiente seguro para realização de competições cibernéticas, palestras, consultorias e cursos.

 

PROFISSÃO EM ALTA (E EM FALTA)

A organização internacional (ISC)² situa o Brasil entre os países com os maiores mercados de trabalho de cibersegurança. Levantamento de 2020 estima um gap da força de trabalho – a diferença entre o número de profissionais capacitados que as organizações precisam para se proteger e a capacidade atual disponível para realizar o trabalho – de 3,1 milhões de profissionais em todo o mundo e de 331.770 no Brasil. Aqui, a força de trabalho total estimada é de 626.650 profissionais.

Em 2018, o próprio Senai já apontava as profissões de engenheiro de cibersegurança e analista de segurança e defesa digital entre as 30 novas ocupações da Indústria 4.0. Tendência que se confirmou em 2020, com a projeção das oportunidades de emprego pós-Covid 19.

As academias para a formação dos profissionais estão em unidades Senai, no caso do Rio Grande do Sul, no Senai Porto Alegre, e os cursos estarão disponíveis a partir de janeiro de 2021. A maior novidade é o simulador hiper-realista utilizado em alguns cursos das academias. Como ensinar na prática poderia comprometer o sistema e as operações das próprias indústrias, utiliza-se o simulador, com 20 cenários de ataque e defesa em um cenário bem próximo do real. Como um jogo, há dois times, o azul e o vermelho, em que um atua como o invasor, com jogadas para invadir e paralisar o sistema, bloquear ferramentas e serviços, e o outro faz a defesa.

Ao se deparar com um serviço que não funciona mais ou dados que são vazados, os alunos precisam contornar e minimizar danos e desenvolver estratégias para evitar novos ataques. Por  ser uma simulação em times, os exercícios também desenvolvem competências socioemocionais. Outra atividade realizada no simulador são os desafios de burlar proteções, de um lado, e identificar e bloquear ataques, do outro, conhecidos como Capture The Flag (CTF).

Grandes empresas de tecnologia, como a Cisco e a AWS, a RustCon, fornecedora do simulador, são os parceiros iniciais do Senai no projeto das academias.

 

AMEAÇAS E IMPACTOS NA INDÚSTRIA

Especialistas são unânimes em afirmar que profissionais de segurança cibernética são os responsáveis por construir processos e ferramentas, mas é preciso desenvolver competências organizacionais, cujo objetivo seja a prevenção (construir mecanismos de defesa), o monitoramento (para acompanhar ataques e invasões) e a antecipação. A cibersegurança deve ser construída sobre três pilares, que devem passar por uma transformação: pessoas, processos e tecnologias.

Informações sobre os cursos: 0800 051 8111 ou pelo Whatsapp 51 9144 8356

Fonte: Boletim Informativo Sindicer RS  Dez/2020

Usamos cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao navegar, você concorda com o uso.